11 dezembro 2017

Propósitos de vida


“Dá-me a humildade – somente nela se encontra o repouso – e liberta-me do orgulho, o mais pesados dos fardos. (...) Nisso consiste, portanto, buscar a Deus com perfeição: afastar-se da ilusão e do prazer, das ansiedades e desejos mundanos, dos trabalhos que Deus não quer, da glória que é apenas exibicionismo humano; manter minha mente livre de confusão para que minha liberdade esteja sempre à disposição de sua vontade; manter silêncio no coração para ouvir a voz de Deus; cultivar a liberdade intelectual em relação às imagens de coisas criadas para receber o contato secreto de Deus em obscuro amor; amar todas as pessoas como a mim mesmo; repousar na humildade e encontrar paz afastando-me de todo conflito e concorrência com os outros...”
(Vozes, 2017) pág. 54


Traduzido por Irmã Maria Emmanuel, OSB e revisado por Sieni Campos, esta reedição está no rol dos clássicos tratados espirituais sobre a vida contemplativa. Escrito a partir da antiga herança cistercience e da própria experiência no claustro, Thomas Merton conduz o leitor pela mão com a maestria de quem já percorreu o caminho, alertando acerca das armadilhas do falso-eu e apontando o caminho da união de vontades para atingir "a mais alta expressão de vida intelectual e espiritual do homem".
 


Adquira este livro pelo site da EDITORA VOZES

04 dezembro 2017

Sobre a esperança e as criaturas

Revisitando uma postagem antiga...

Sobre a esperança e as criaturas

"A esperança nos retira inteiramente deste mundo, embora aí continuemos em corpo. A nossa mente retém a visão clara do que é bom nas criaturas. A nossa vontade permanece casta e solitária no meio de toda beleza criada..."  
No Man is an Island, de Thomas Merton
(Harvest Book, New York), 1983. p. 253
Homem algum é uma ilha (Verus, 2003) p. 212 

Reflexão da semana de 02-07-2012

Um pensamento para reflexão: "A chuva cessa, e o canto puro de um pássaro anuncia, de repente, a diferença entre o céu e o inferno.”
Homem Algum é uma Ilha, Thomas Merton

27 novembro 2017

A esperança, contudo, é...

"... um dom. Assim como a vida, ela é um dom de Deus, um dom total, inesperado, incompreensível e imerecido. Brota do nada, inteiramente livre. Mas para encontrá-lo temos de descer ao nada. Encontramos a esperança de modo mais perfeito quando estamos despojados de nossa autoconfiança, de nossa força, quando praticamente não mais existimos. 'Uma esperança que pode ser vista' - diz São Paulo - 'não é esperança'. Não é esperança; portanto, é desespero. Ver nossa esperança é abandonar a esperança."
(Vozes, 2006) pág. 8

20 novembro 2017

No Teu próprio tempo e do Teu próprio modo

“Meu Deus, tranca-me na Tua vontade, prende-me no Teu amor e na Tua Sabedoria, atrai-me para Ti mesmo. Nunca farei coisa alguma quando a razão mais forte para fazê-la for somente minha própria satisfação. Eu desejo Tua Vontade e Teu Amor. Eu me entrego cegamente a Ti. Confio em Ti. Tu realmente me queres na solidão? Então conduze-me para lá e purifica o caminho de toda a minha vontade própria e de meus próprios desejos. Confio cegamente em Ti, qualquer que seja a escuridão, quaisquer que sejam meus temores. Conduz-me para fazer todas as coisas no Teu próprio tempo e do Teu próprio modo.”
(Fissus. 2003), pág. 43

13 novembro 2017

Fizemos o que devíamos fazer

“Para sermos perfeitos devemos ter ideias concretas e justas e fazer esforços para viver à altura das mesmas. Deve haver algumas normas e alguns padrões gerais aplicáveis a todos, servindo de ‘regras’ universais a serem seguidas por todos e cada um em sua vida particular. Tais regras jamais deverão ser pouco estimuladas ou negligenciadas. O fato de dedicarmos algumas páginas a reflexões sobre essas normas gerais e amplas, que constituem a base da doutrina espiritual, não significa uma tentativa de compor um método seguro para nos tornarmos santos. Estamos simplesmente recordando o ensinamento fundamental da Igreja sobre o caminho que leva à perfeição.”

(Herder. 1965), pág. 55

06 novembro 2017

Fome diante do banquete

“Temos fome das palavras transformadoras que nos vem de Deus, palavras ditas em segredo ao nosso espírito e portadoras de nosso inteiro destino. Acabamos por não viver de nada mais senão dessa voz. A nossa contemplação enraíza-se no mistério da Providência divina e na sua atualidade. A Providência não pode mais ser para nós uma abstração filosófica. Ela não é uma agência sobrenatural a prover-nos de roupa e mesa no devido tempo. É ela mesma que se torna alimento e vestuário nosso. A nossa vida são as próprias decisões misteriosas de Deus.”

(Verus, 2003). p. 72
_______________
“We hunger for the transforming words of God, words spoken to our spirit in secret and containing our whole destiny in themselves. We come to live by nothing but this voice. Our contemplation is rooted in the mystery of Divine Providence, and in its actuality. Providence can no longer be for us a philosophical abstraction. It is no longer a supernatural agency to provide us with food and clothing at the right time. Providence itself becomes our food and our clothing. God’s mysterious decisions are themselves our life."
No man is an island
(Harvest Book, 1995), p.69

“Tenemos hambre de las palabras transformadoras que nos vienen de Dios, palabras dichas en secreto a nuestro espíritu y que contienen todo nuestro destino. Terminamos por no vivir más que de esa voz. Nuestra contemplación está arraigada en el misterio de la Divina Providencia y su realidad. La Providencia ya no puede ser para nosotros una abstracción filosófica. No se trata de una agencia sobrenatural que nos provee de alimento y ropa a su debido tiempo. La misma Providencia es nuestro alimento y nuestra ropa. La decisiones misteriosas de Dios son ellas mismas nuestra vida.”
Los hombres no son islas
Traducción SAFTM – Brasil

30 outubro 2017

A semente e o fermento

"Mantenha seus olhos puros, seus ouvidos silenciosos e sua mente serena. Respire o ar de Deus. Trabalhe, se possível, sob seu céu.

Mas, se for obrigado a viver numa cidade, a trabalhar com máquinas, a andar de metrô, a comer em lugares onde o rádio o ensurdece espalhando notícias espúrias e a comida destrói-lhe a vida, onde os sentimentos dos que o rodeiam envenenam de tédio o seu coração, não seja impaciente: aceite tudo com amor de Deus e como uma semente de solidão plantada em sua alma. Se você for abalado por essas coisas, manterá seu apetite pelo silêncio vivificante do recolhimento. Mas, enquanto isso, mantenha a compaixão para com os homens que se esqueceram do conceito mesmo de solidão. Você ainda pode ter a esperança dessa alegria. Eles nem mais a esperam."

Novas sementes de contemplação
(Vozes, 2017) pág. 89


_____________________

The seed and the yeast
"Keep your eyes clean and your ears quiet and your mind serene. Breathe God’s air. Work, if you can, under His sky.But if you have to live in a city and work among machines and ride in the subways and eat in a place where the radio makes you deaf with spurious news and where the food destroys your life and the sentiments of those around you poison your heart with boredom, do not be impatient, but accept it as the love of God and as a seed of solitude planted in your soul. If you are appaled by those things, you will keep your appetite for the healing silence of recollection. But meanwhile-keep your sense of compassion for the men who have forgotten the very concept of solitude. You, at least, know that it exists, and that it is the source of peace and joy. You can still hope for such joy. They do not even hope for it any more."
New seeds of contemplation
(New Directions Books, 2007), p.86-87
La semilla y la levadura
"Mantén limpios tus ojos, tranquilos tus oídos y sereno tu espíritu. Respire el aire de Dios. Trabaja, si puedes, bajo su cielo.Pero, si has de vivir en una ciudad y trabajar entre máquinas, viajar en subterráneo y comer en un sitio donde la radio te ensordece con noticias falsificadas, la comida destruye tu vida y los sentimientos de los que te rodean emponzoñan tu corazón de tedio, no te turbes, sino acéptalo como el amor de Dios y como semilla de soledad sembrada en tu alma y alégrate de ese sufrimiento. Si te apabullan esas cosas, mantendrás tu apetito por el silencio vivificante des recogimiento. Pero mientras tanto mantén la compasión hacia los hombres que se han olvidado del concepto mismo de soledad. Todavía puedes tener la esperanza de esa alegría. Ellos ya ni siquiera la esperan."
Semillas de contemplación
(E.D.H.A.S.A., p. 24 hasta sufrimiento. Luego, traducción SAFTM-Brasil)

23 outubro 2017

A nossa contribuição

"A vontade de Deus quanto a nós não é só que sejamos as pessoas que Ele nos destinou a ser, mas que tomemos parte nesse trabalho de criação e O ajudemos a fazer de nós as pessoas que Ele quer que sejamos."
Agir, 6ª Ed. 1976, pág. 72

16 outubro 2017

Como nos dirigimos a Deus?


"Como o homem é, assim ele reza. É pelo modo de falarmos a Deus, que nós nos fazemos aquilo que somos."
(Agir, 6ª Ed. 1976), pág. 55

12 outubro 2017

300 anos da Padroeira do Brasil - Nossa Senhora, por Thomas Merton

Em comemoração aos 300 anos de Nossa Senhora da Conceição Aparecida, Padroeira do Brasil, a Sociedade dos Amigos Fraternos de Thomas Merton envia a você, caro assinante, este trecho onde Thomas Merton demonstra sua fé na intercessão da Mãe de Deus. Assim como Nossa Senhora conduziu os três pescadores nas águas do Rio Paraíba do Sul, naquele longínquo 12 de outubro de 1717, o fez também com o futuro Fr. Mary Louis Merton em fins de novembro de 1934 sobre as águas do oceano Atlântico. O texto original é da década de 1940 quando Merton escreve sua mais famosa obra: A montanha dos sete patamares. A Ilustração é de Lúcio Américo de Oliveira, teólogo e artista sacro brasileiro que com a graça de Deus e a influência de Cláudio Pastro e São Francisco de Assis, nos cedeu gentilmente a imagem abaixo. 

 "Senhora, quando naquela noite deixei a Ilha que foi outrora vossa Inglaterra, vosso amor me acompanhou, ainda que eu não pudesse sabê-lo nem dele tomar consciência. E foi vosso amor, vossa intercessão por mim, perante Deus, que estava preparando os mares diante de mim, abrindo-me o caminho para outro país.
Eu não tinha certeza para onde ia nem podia imaginar o que faria em Nova York. Mas vós vistes mais longe e com mais clareza e abriste os mares diante do meu navio, cuja trajetória me levou por sobre as águas a um lugar com que jamais havia sonhado, mas que já então estáveis preparando para ser minha salvação, meu refúgio e meu lar. E quanto eu achava que não havia Deus, não havia amor nem misericórdia, vós me conduzíeis o tempo todo para dentro do seu amor e misericórdia, levando-me, sem meu conhecimento para a casa que me ocultaria no segredo da sua face."
(Vozes, 2ªEd. 2010), pág. 119-120

"Lady, when on that night I left the island that was once your England, your love went with me, although I could not know it. And it was your love, your intercession for me, before God, that was preparing the seas before my ship opening the way for me to another country.
I was not sure where I was going, and I could not see what I would do when I got to New York. But you saw further and clearer than I, and you opened the seas before my ship, whose track led me across the waters to a place I had never dreamed of, and which even then you were preparing for me to be my rescue and my shelter and my home. And when I thought that there was no God and no love and no mercy, you were leading me all the while in the midst of his love and his mercy, and taking me, without my knowing anything about it, to the house that would hide me in the secret of his face. 
Merton, The Seven Storey Mountain, quoted by WEIS (Monica), Thomas Merton’s Gethsemani: Landscapes in Paradise, ed. University Press of Kentucky, p. 7.

“Señora, cuando por la noche abandoné la isla que antes fue tu Inglaterra, tu amor me acompañaba, aunque no pudiese saberlo, ni pudiera hacerme consciente de ello. Y era tu amor, por intercesión por mí, que disponía las aguas delante de mi barco, dejándome abierto el camino para otro país.
No estaba seguro de adónde iba, no podía ver lo que haría cuando llegara a Nueva York. pero tú velas más lejos y más claro que yo y abrías los mares delante de mi barco, cuyo camino me conducía a través de las aguas, a un lugar con el que nunca había soñado y que ya entonces me preparabas para que fuera mi rescate, mi abrigo mi hogar.  Cuando yo creía que no había Dios, ni amor, ni misericordia, tú me guiabas al centro de su amor y su misericordia y me llevabas sin saber yo nada de ello, a la casa que me ocultaría en el secreto de su faz."

Montaña de los siete círculos, Editorial Sudamericana, Buenos Aires, 6a ed., 1998, p.138.

09 outubro 2017

Porém, uma só coisa é necessária

“Não poderia haver contemplação para o homem que, por sua própria culpa, se separou do Cristo, sem o qual ninguém pode vir ao Pai. Por isso, a vida contemplativa se realiza, antes de tudo, por nossa união com Deus em Cristo, e essa união invisível só é possível graças à união visível com todos os nosso irmãos, Nele e no Espírito de caridade.”
(Vozes. 1959), pág. 26

___________________

Only one thing is necessary

“There could be no contemplation for the man who, by his own fault, separated himself from Christ, without whom no one can come to the Father. For this reason, contemplative life is accomplished first of all by our union with God in Christ, and this invisible union is only possible thanks to the visible union with all our brothers in Him and in the Spirit of charity.”
Martha, Mary, and Lazarus,
Translated by SAFTM - Brazil
________________________ 

Pero una sola cosa es necesaria

 “No puede haber contemplación para el hombre que, por su propia culpa, se separó de Cristo, sin quien nadie puede ir al Padre. Por ello, la vida contemplativa se realiza, antes que nada, por nuestra unión con Dios en Cristo, y esa unión invisible sólo es posible gracias a la unión visible con todos nuestros hermanos en Él y en el Espíritu de caridad.”
Marta, María y Lázaro,
Traducción SAFTM - Brasil

02 outubro 2017

Senhor, queres que mandemos descer fogo do céu para destruí-los?

“Mas o programa cristão para a paz não depende da astúcia humana, da crueldade ou da força. O poder nunca pode ser a pedra angular de uma política cristã. No entanto, o trabalho pela paz deve ser vigoroso, esclarecido e movido por uma clara noção de seus propósitos. Seu objetivo é definido por nossas crenças religiosas de que Deus nos chamou ‘ao serviço de seus misericordiosos desígnios’ (João XXIII, Mensagem de Natal, 1958)”
(Santuário, 1ªEd. 2007), pág. 185


_________________________

Lord, do you want us to call fire down from heaven to destroy them? "But the Christian program for peace does not depend on human astuteness, ruthlessness or force. Power can never be a keystone of a Christian policy. Yes, our work for peace must be energetic, enlightened and fully purposeful. Its purpose is defined by our religious belief that God has called us ‘to the service of His merciful designs’ (John XXIII, Christmas Message, 1958)."
The Nonviolent Alternative,
(ed. Farrar, Strauss, Giroux, Nova York, 1980), p. 34



_________________________


Señor, ¿quieres que digamos que baje fuego del cielo y los consuma?

"Pero el programa Cristiano para la paz no depende de astucia, crueldad o fuerza humanas. El poder nunca puede ser la piedra angular de una política cristiana. Sí, nuestro trabajo por la paz debe ser vigoroso, fundamentado y con clareza de propósitos. Su propósito está definido por nuestra creencia religiosa de que Dios nos ha llamado “al servicio de sus designios misericordiosos” (Juan XXIII, Mensaje de Navidad, 1958)."
Paz en la era post-cristiana,

Traducción SAFTM - Brasil

25 setembro 2017

Ouvir e pôr em prática

“O primeiro passo na vida interior, hoje em dia, não é, como imaginam alguns, aprender a não ver, a não provar, não ouvir, nem sentir as coisas. Muito ao contrário, o que devemos fazer é começar a desaprender os nossos modos errados de ver, de provar, de sentir para adquirir uns tantos modos corretos. (...) A minha alma não se descobre senão quando age. Ela deve, pois, agir. A estagnação e a inatividade trazem a morte espiritual. Mas a minha alma não deve projetar-se inteiramente nos efeitos externos da sua atividade. Não preciso ver-me a mim mesmo, eu só preciso ser quem sou.”
(Agir, 6ªEd. 1976), pág. 49 e 111

Hearing and putting into practice

The first step in the interior life, nowadays, is not, as some might imagine,
learning not to see and taste and hear and feel things. On the contrary, what we
must do is begin by unlearning our wrong ways of seeing, tasting, feeling, and so
forth, and acquire a few of the right ones. (...)My soul does not find itself unless
it acts. Therefore it must act. Stagnation and inactivity bring spiritual death. But
my soul must not project itself entirely into the outward effects of its activity. I
do not need to see myself, I only need to be myself.”
 No man is an island,
(Harvest Book, 1995), pp. 55 e 140.
Oírlo y ponerlo en práctica

El primer paso en la vida interior, hoy en día, no es, como se imaginan
algunos, aprender a no ver ni saborear ni oír ni sentir las cosas. Al contrario, lo
que debemos hacer es empezar por desaprender nuestras maneras equivocadas
de ver, saborear, sentir, etc., y adquirir algunas de las correctas. (...)Mi alma no
se encuentra a si misma si no obra. Por consiguiente, debe obrar. El
estancamiento y la inactividad acarrean la muerte espiritual. El alma no debe
proyectarse a sí misma completamente hacia los efectos exteriores de su
actividad. No se requiere verse: se necesita ser uno mismo.

 Los hombres no son islas,

(Traducción SAFTM – Brasil y [a partir de (…)]
http://stamovivo.blogspot.com.br/2014/02/notas-para- una-filosofia- de-la- vida.html

18 setembro 2017

Eu te ordeno, levanta-te!

“O sofrimento é consagrado a Deus pela fé, não uma fé no sofrimento, mas uma fé em Deus. Aceitar o sofrimento estoicamente, receber o fardo de uma necessidade fatal, inevitável e incompreensível, e leva-lo com coragem, não é consagração alguma. (...) A Cruz de Cristo não diz nada do poder do sofrimento ou da morte. Ela só fala do poder Daquele que venceu o sofrimento e a morte pela ressurreição do túmulo. ”
(Agir, 6ªEd. 1976), pág. 83




____________________
I command you to rise!


 “Suffering is consecrated to God by faith-not by faith in suffering, but by faith in God. To accept suffering stoically, to receive the burden of fatal, unavoidable, and incomprehensible necessity and to bear it strongly, is no consecration. (...)The Cross of Christ says nothing of the power of suffering or of death. It speaks only of the power of Him Who overcame both suffering and death by rising from the grave.”
No man is an island,
 (Harvest Book, 1995), p. 101.


____________________

Yo te lo ordeno, ¡levántate!


 “El sufrimiento está consagrado a Dios por la fe -no la fe en el sufrimiento, sino por la fe en Dios-. Aceptar el sufrimiento estoicamente, recibir la aflicción como una necesidad fatal, inevitable e incomprensible y soportarla con fortaleza no significa consagración. (...)La Cruz de Cristo no dice nada del poder del sufrimiento o la muerte. No habla más que del poder de Aquel que venció el sufrimiento y la muerte al levantarse de la tumba.”
Los hombres no son islas,
Traducción SAFTM - Brasil

11 setembro 2017

Foi à montanha para rezar

S. João da Cruz e S. Teresa nos deixaram estudos minuciosos dos caminhos da oração contemplativa. Mais do que qualquer outro místico, eles nos descreveram os pormenores práticos de nossa cooperação com o Espírito de Deus no grau de oração que aqui nos interessa. Ambos acham que na Noite dos sentidos e na oraçã0 de Quietude, as faculdades da alma são de algum modo passivas. Mas concordam também em que elas ainda são livres de agir, podendo ajudar ou estorvar a ação de Deus. Pensam igualmente que para ajudar a obra da graça, as faculdades devem pôr-se em uma atividade muito simplificada, que na ora da oração passiva, consiste em não fazer outro esforço senão conservar-nos passivos. Fora do tempo da oração, podem fazer mais. Mas é, de qualquer modo, mortificante manter a alma num estado de atenta receptividade durante os primeiros passos da oração passiva quando a graça age quase sem se fazer sentir e a imaginação é solicitada por muitas distrações.
(Itatiaia, 1999), pág. 161


 _______________________

He went out to the mountain to pray
 
‘Saint John of the Cross and Saint Teresa of Avila have both left us detailed studies of the ways of contemplative prayer, and better than any other mystics they have described the practical details of our cooperation with the Spirit of God in the degree of prayer which most interests us here.  They both agree that in the Night of Sense, and more still in the Prayer of Quiet, the faculties of the soul are in some measure passive.  But they also agree that these faculties are still free to act of their own accord and that consequently they are capable of either helping of hindering the work of God.  And they both agree that in order to help the action of grace our faculties must engage in some very simplified activity which, at the actual moment of passive prayer, consists in nothing more than the effort to keep themselves passive.  Outside the time of prayer, they must do more.  But in any event, it takes mortification to maintain the soul in a state of alert receptivity during the first stages of passive prayer when grace acts almost unnoticeably on the soul and when the imagination is drawn away by many distractions.’
Ascent to truth,
(citado em https://thevalueofsparrows.com/2014/12/20/intelligence-in-the-prayer-of-quiet-by-thomas-merton-2/2/)


______________________


Subió a la montaña para rezar 
San Juan de la Cruz y Santa Teresa de Ávila nos legaron unos estudios minuciosos sobre los caminos de la oración contemplativa y, mejor que cualquier otro místico, describieron los detalles prácticos de nuestra cooperación con el Espíritu de Dios en el grado de oración que aquí más nos interesa.   Ambos coinciden en que, en la Noche de los Sentidos, y aún más en la Oración de Quietud, las facultades del alma se encuentran, hasta cierto punto, pasivas.   Pero también coinciden en que dichas facultades permanecen libres para actuar por su propia voluntad y, por consiguiente, son capaces o de auxiliar o de estorbar la obra de Dios.   Coinciden, asimismo, en que, para auxiliar la acción de la gracia, nuestras facultades deben de emprender alguna actividad muy simplificada que, en el momento mismo de la oración pasiva, consiste en nada más que el esfuerzo en mantenerse pasivas.   A parte del tiempo de oración, deben de hacer más.   Pero sea como sea, se requiere de mortificación para mantener al alma en un estado de receptividad alerta durante las primeras etapas de la oración pasiva, cuando la gracia actúa casi imperceptiblemente sobre el alma y la imaginación se ve atraída por muchas distracciones.
Traducción de SAFTM - Brasil

04 setembro 2017

Exorcizando o demônio das nossas ilusões

“Deus não pode ser compreendido senão por ele mesmo. Se queremos compreendê-lo, só podemos fazê-lo, transformando-nos de certo modo nele, de maneira a conhecê-lo como ele se conhece. E Deus não se conhece a si mesmo por nenhuma representação de si. Seu Ser infinito é que é o conhecimento que Deus tem de si mesmo e nós não o conheceremos como ele se conhece enquanto não estivermos unidos ao que ele é. A fé é o primeiro passo em direção a essa transformação, porque é conhecimento que adere, na obscuridade, sem imagem nem representações, por meio de uma identificação amorosa ao Deus vivo.”
(Fisus, 1999), pág. 134

28 agosto 2017

Liberdade ou cegueira?

“Nós presumimos, com demasiada facilidade, que somos o nosso eu real, e que as nossas escolhas são as que pretendemos fazer quando é por impulsos psicológicos emanados de ideias exageradas sobre a nossa própria importância que os nossos atos de livre escolha são largamente ditados pelo lado falso do nosso eu.”
(Agir, 6ªEd. 1976), pág. 43


______________________
Freedom or blindness?
“We too easily assume that we are our real selves, and that our choices are really the ones we want to make when, in fact, our acts of free choice (though moral imputable, no doubt) are largely dictated by psychological compulsions, flowing from our inordinate ideas of our own importance.”
No man is an island,
(Harvest Book, 1995), p. 46
 

_____________________
¿Libertad o ceguera?
“Con demasiada facilidad imaginamos que somos lo que somos, y que nuestras elecciones son en verdad las que deseamos, cuando en verdad nuestros actos de libre albedrío son (si bien moralmente imputables, no hay duda) dictados en gran parte por compulsiones psicológicas que provienen de nuestras ideas desordenadas, a las que damos importancia personal.”
Escritos esenciales,
(Ed. Sal Terrae, 2006, p.60)

21 agosto 2017

Faça-se em mim segundo a tua palavra

“22 de agosto [de 1949] – oitava da assunção.
(...) De qualquer maneira, me senti muito feliz hoje de manhã, ao celebrar a Missa da Oitava no altar de São Roberto – uma pequena capela lateral só para mim. A temperatura horrivelmente quente parou de súbito na véspera da festa de São Bernardo, mas este tipo de calor espinhento tende a fazer-se agudo quando a pessoa está descansando à sombra.
No dia de São Bernardo, fui sentar-me na colina que há por detrás da casa de Nally. Não queria entrar muito no bosque porque quanto mais tempo se passa caminhando menos tempo se tem para uma oração realmente profunda. Assim, fiquei a contemplar a grande curva da paisagem, aquela distante linha de colinas, cheia de tantas associações para mim, e a abadia, que repousa sobre o tapete dos campos como um relicário e contém tudo o que existe de mais precioso no mundo, o Corpo de Cristo e Sua Divindade, O Deus Vivo. (...)”
(Mérito, 1954), pág. 252



_____________________


Let it be to me according to your word

“August 22 [1949] – Octave of the assumption.

(...)Anyway, I was very happy saying the Mass of the octave day this morning at Saint Robert’s altar –with a little side chapel all to myself. The really hot weather stopped all of a sudden that evening before Saint Bernard’s day but prickly heat tends to be especially sharp when you are cooling off.
On Saint Bernard’s day-I sat up on the hill behind Nally’s, not wanting to walk far into the woods, because the more time you spend walking the less you have for really deep prayer. So, I looked at the great big sweep of country and that far line of hills that is steeped in spiritual associations for me, and at the abbey and the church sitting in the carpet of fields like a reliquary, and containing all that is most precious in the world, the Body of Christ, and His Divinity, the Living God. (...)”
The sign of Jonas,
 (Harvest Book, 1981), p.221 252


_________________________ 

Hágase en mí según tu palabra

“22 de agosto [de 1949] – Octava de la asunción.

(...) Sea como sea, me sentí muy feliz esta mañana al celebrar la Misa de la Octava en el altar de San Roberto –con una pequeña capilla lateral toda para mí-.El calor tremendo terminó súbitamente el día anterior a la fiesta de San Bernardo, pero el calor agobiante tiende a acentuarse cuando uno se está refrescando.
El día de San Bernardo, me senté en la colina detrás de lo de Nally -no quería ir muy adentro del bosque, pues, cuanto más tiempo se pasa caminando, menos tiempo se tiene para una oración realmente profunda. Así, me puse a mirar el amplio paisaje y la línea distante de colinas, llenos de tantas asociaciones espirituales para mí, y la abadía y la iglesia, que reposan sobre la alfombra de los campos como un relicario y contienen todo lo más precioso en el mundo: el Cuerpo de Cristo, y Su Divinidad, el Dios Vivo. (...)”
El signo de Jonás,
(Traducción SAFTM - Brasil)

14 agosto 2017

Se não vos tornardes como crianças, não entrareis no Reino dos Céus.

“A humildade é a única chave que dá acesso à fé, início da vida espiritual. Pois fé e humildade são inseparáveis. Na perfeita humildade desaparece todo egoísmo e a alma não vive mais para si nem em si mesma para Deus; na humildade a alma se perde de vista, mergulha em Deus e é Nele transformada.”
(Vozes, 1963), pág. 185




Unless you become like children, you will never enter the kingdom of heaven.

“Humility contains in itself the answer to all the great problems of the life of the soul. It is the only key to faith, with which spiritual life begins: for faith and humility are inseparable. In perfect humility all selfishness disappears and your soul no longer lives for itself or in itself for God: and it is lost and submerged in Him and transformed into Him.”
New seeds of contemplation,
(New Directions Books, 2007), p. 197


 A menos que os volváis y os hagáis como niños, no entraréis en el Reino del Cielo.

“La humildad contiene en sí misma la respuesta a todos los grandes problemas de la vida del alma. Es la única llave de la fe, con la cual empieza la vida espiritual; pues la fe y la humildad son inseparables. En la perfecta humildad desaparece todo egoísmo, y tu alma ya no vive para sí ni en sí, sino para Dios; y pierde y sumerge en Él y se transforma en Él.”
Nuevas semillas de contemplación 

(E.D.H.A.S.A., p. 49)

07 agosto 2017

Vem

“Não existem fórmulas simples e eficazes a não ser no Evangelho, onde as palavras não são do homem mas de Deus. E, apesar de toda a sua simplicidade, as palavras do Cristo, em sua transparência, as palavras de salvação, permanecem profundamente misteriosas, como tudo que procede de Deus. Assim, conquanto esteja bem claro que somos chamados à ‘perfeição’ - e sabemos consistir a perfeição em ‘observar os mandamentos (de Cristo), acima de tudo o ‘mandamento novo’ de nos amarmos uns aos outros como ele nos amou – cada um tem de se esforçar para alcançar a própria salvação, com temor e tremor, no mistério e, muitas vezes, atônito, na confusão da situação particular de sua vida. Realizando isso, cada um de nós aparece como um novo ‘caminho’, uma nova ‘santidade’ inteiramente individual e própria, porque cada um de nós tem sua vocação peculiar e deve reproduzir a semelhança ao Cristo de um modo que difere um tanto dos outros, desde que não existem duas pessoas iguais.”
(Herder, 1965), pág. 46

_______________
Follow me
“No simples and efficacious formulas exist except in the Gospel, where they are not the words of man but the words of God. And, with all their transparent simplicity, the words of Christ, the words of salvation, remain as deeply mysterious as everything else which proceeds from God. Thus, while it is quite clear that we are called to 'be perfect,' and while we know that perfection consists in 'keeping the commandments' (of Christ), above all his 'new commandment to love one another as he has loved us,' still each one has to work out his salvation in fear and trembling in the mystery and often bewildering confusion of his own individual life. In doing this, each one actually comes out with a new 'way', a new 'sanctity' which is all his own, because each one of us has a peculiar vocation to reproduce the likeness of Christ in a mode that is not quite the same as anybody else’s, since no two of us are quite alike.”
Life and Holiness
(Herder & Herder, 196e), p.17

Ven
"No existen fórmulas simples y eficaces, excepto en las Evangelios, donde las palabras ya no son de hombre, sino de Dios. Y, con toda su transparente sencillez, las palabras de Cristo, palabras de salvación, siguen siendo profundamente misteriosas, como todo lo que procede de Dios. Así, si bien está absolutamente claro que somos llamados a 'ser perfectos', y si bien sabemos que la perfección consiste en “guardar los mandamientos” (de Cristo), sobre todo su 'nuevo mandamiento de amarnos los unos a los otros como Él nos ha amado', con todo, cada uno tiene que labrarse su salvación en el temor, temblando en el misterio y en la desconcertante confusión de su propia vida individual. Haciéndolo así, todos salimos ganando un nuevo 'modo', una nueva 'santidad' que es privativa de cada uno, porque cada uno de nosotros tiene una vocación peculiar de reproducir la semejanza con Cristo de una manera que no es idéntica a la de cualquier otra persona, ya que nunca dos personas son del todo iguales”
Vida y santidad
(Herder Sal Terrae)



31 julho 2017

Noite dos sentidos

“Outro obstáculo. E talvez seja ele o mais comum. Trata-se da inércia espiritual, da confusão interior, da frieza, da falta de confiança. Pode ser esse o caso dos que, depois de haverem iniciado bem, experimentam o inevitável ‘tombo’ que surge quando a vida de meditação começa a tornar-se séria. Aquilo que no princípio parecia fácil e agradável, de repente mostra-se totalmente impossível. A mente não funciona. Não se consegue concentrar em coisa alguma. A imaginação e a s emoções vagueiam. Por vezes disparam. A esta altura talvez, no meio de uma oração cheia de aridez, desolação e repugnância, inconscientes fantasias podem apoderar-se de quem medita. Pode ser desagradáveis e mesmo assustadoras. Com mais frequência, nossa vida interior torna-se simplesmente um deserto destituído de qualquer interesse.”
(Agir, 1972), pág. 63

_______________

Night of the senses
“Another obstacle - and perhaps this one is more common- is spiritual inertia, inner confusion, coldness, lack of confidence. This may be the case of those who, after having made a satisfactory beginning, experience the inevitable let-down that comes when the life of meditation gets to be serious. What at first seemed easy and rewarding suddenly comes to be utterly impossible. The mind will not work. One cannot concentrate on anything. The imagination and the emotions wander away. Sometimes they run wild. At this point, perhaps, in the midst of a prayer that is dry, desolate and repugnant, unconscious fantasies may take over. These may be unpleasant and even frightening. More often, one’s inner life simply becomes a desert which lacks all interest whatever.”
Contemplative prayer
(Random House, 1968), p. 14



Noche de los sentidos
“Otro obstáculo —y quizá éste sea más común— es la inercia espiritual, la confusión interior, la frialdad, la falta de confianza. Éste puede ser el caso de los que, después de haber empezado de forma satisfactoria, experimentan el inevitable bajón que tiene lugar cuando la vivencia de la meditación empieza a ser más seria, más exigente. Lo que al principio parece fácil y gratificante, de repente se convierte en algo totalmente imposible. La mente deja de funcionar a su ritmo normal. Se experimenta una imposibilidad casi absoluta de concentración. La imaginación y las emociones viven su propio ritmo de enorme dispersión. Hasta se vuelven totalmente indómitas a los mandatos de nuestra voluntad. En esta situación, en medio de una oración, que es de gran sequedad, desolada y que nos repele, as fantasías inconscientes pueden dominar. Éstas pueden ser desagradables e incluso asustadoras. A menudo, la vida interior se convierte en puro desierto, carente de todo atractivo.”


La oración contemplativa
http://www.mercaba.org/Libros/Merton/La_oracion_contemplativa.htm