23 janeiro 2017

Contemplação e teologia

“Muitos não-cristãos, e possivelmente muitos cristãos protestantes, provavelmente supõem que a intensa preocupação dos primeiros Padres da Igreja com detalhes técnicos do dogma da encarnação era fruto de uma obstinação arbitrária e subjetiva e que tinha muito pouca importância objetiva. Mas, na verdade, as complexidades da cristologia e do dogma da união hipostática não constituem, de maneira nenhuma, uma rede autoritária projetada para capturar a mente e manter em sujeição a vontade dos fiéis, como o racionalismo está sempre pronto a declarar. Tanto o teólogo quanto o crente comum da era patrística tinham consciência da importância da correta formulação teológica do mistério da encarnação, porque um erro em matéria de dogma teria de fato desastrosas consequências práticas na vida espiritual de cada indivíduo cristão.”
(Martins Fontes, 2007), pág. 54

16 janeiro 2017

O caminho obscuro da contemplação

“Está dentro das possibilidades do homem crer em Deus (sempre com Sua graça). Mas ‘ver’ a Deus nas trevas da contemplação é mais do que ele pode alcançar. É mais do que pode alcançar ordinariamente com as graças diárias da vida cristã. É dom de Deus. Mas um dom que não está reservado apenas a uns poucos. É dom que pode ser dado a qualquer um.”
(Itatiaia, 1962) pág. 53

09 janeiro 2017

Renove a fé no ano novo - parte 2

“Para impedir o perigo dessa paralisia espiritual, o Santo Padre (Pio XII) estimula os cristãos a renovarem o fervor da fé e a cultivarem a vida interior. Devemos, para conseguir esse fim, ler, orar, meditar; devemos procurar todo possível contato com Deus que enviou Seu Filho ao mundo para libertar os homens da frieza e da vaidade das formas de religião puramente humanas.


Insistindo de modo particular sobre o valor da meditação, o Papa Pio XII escreveu:

‘Acima de tudo mais, a Igreja nos exorta à prática da meditação, que eleva a mente à contemplação das coisas celestes, inflama o coração no amor de Deus e o guia no caminho reto até Ele (Menti Nostrae, 44). (...) Do mesmo modo que o desejo da perfeição sacerdotal é nutrido e fortalecido pela meditação cotidiana, a omissão desta prática é a fonte do tédio pelas coisas espirituais... Necessário é, portanto, declarar sem restrição que nenhum outro meio tem a singular eficácia da meditação e que, em consequência, a prática cotidiana desta não pode, de modo algum, ser substituída.’ (Menti Nostrae, 46)”.

(Vozes, 1963) pág.24

02 janeiro 2017

Renove a fé no ano novo - parte 1

“Nada contribui tanto para destruir nossa estima para com o Santíssimo Sacramento como a rotina. Celebrar a Missa automaticamente, aproximar-se dos sacramentos de maneira descuidada e distraída, é considerar os grandes dons e mistérios de Deus como se fossem objetos e fatos semelhantes a todas as coisas materiais que fazem parte de nossa vida. Em tais circunstâncias, nossa fé tende a degenerar em superstição e vã observância de preceitos; a tornar-se uma espécie de ceticismo prático, sob a aparência externa de piedoso conformismo. Deus, então, retira-se de nossa vida e essa ausência se torna patente a todos, menos a nós próprios. A grande tragédia do nosso tempo – se podemos ter a ousadia de dizê-lo – é que haja tantos cristãos sem Deus, isto é, cristãos cuja religião é questão de puro conformismo e conveniência. Para esses, a ‘fé’ pouco mais é que uma evasão permanente da realidade – uma acomodação com a vida. A fim de evitar a desagradável verdade de que não têm mais necessidade alguma, real, de Deus, nenhuma fé vital nele, conformam exteriormente sua conduta à de outros como eles. Esses ‘crentes’ se agrupam, oferecendo-se mutuamente uma aparente justificativa para vidas que são, essencialmente, semelhantes às de seus vizinhos materialistas, cujos horizontes são puramente os do mundo com seus valores transitórios.”
(Vozes, 1963), pág. 23-24

26 dezembro 2016

O mistério da Encarnação


“O cristianismo é mais que uma doutrina. É o próprio Cristo vivendo naqueles que uniu a si em um só Corpo Místico. É o mistério pelo qual a Encarnação do Verbo de Deus continua e se estende através dos séculos, penetrando nas almas e na vida de todos os homens, até a consumação final do plano de Deus. O cristianismo é a ‘restauração de todas as coisas em Cristo’ (Ef 1, 10)”

(Vozes, 1963) pág. 13